top of page
  • SleepUp

Monitorar o sono em casa é possível?

Atualizado: 18 de jun. de 2020


Blog da SleepUp: Monitorar o sono em casa é possível?

Se procurarmos por “sono” na loja virtual do celular, certamente vamos encontrar diversos aplicativos que prometem monitorar o sono. Muitos celulares inclusive já vêm com funções de avaliação de sono de fábrica. Além disso, smartwatches (relógios inteligentes) quase sempre apresentam alguma funcionalidade relacionada à avaliação do sono. Essas ferramentas em conjunto são chamadas de monitores de sono (ou sleeptrackers). Em geral, esses aplicativos indicam o tempo de sono à noite, bem como quanto tempo foi passado em cada estágio de sono.

O apelo para esses monitores portáteis é muito grande: Primeiro porque as pessoas têm muito interesse em saber como é seu sono à noite. Além disso, devemos lembrar que a polissonografia (principal exame em Medicina do Sono) é cara e desconfortável. Portanto, se conseguíssemos substituir a polissonografia por um simples relógio ou aplicativo, facilitaríamos muito a avaliação do padrão de sono à noite. Esses argumentos são fortes, mas será que os monitores de sono portáteis realmente funcionam


Estágios do sono

Um dos grandes desafios dos monitores de sono é conseguir estagiar o sono, ou seja, diferenciar os estágios de sono que acontecem durante a noite e informar quanto tempo passamos em cada estágio. Na nossa noite, passamos por duas grandes fases de sono: O sono Não-REM e o sono REM.

O sono REM é um dos estágios mais famosos do sono, pois é quando a maior parte dos nossos sonhos acontecem. A sigla REM vem do termo em inglês para movimento rápido dos olhos (Rapid Eye Movement), justamente por que quando sonhamos movimentamos nossos olhos. Este estágio do sono é muito importante para a memória e para a cognição. Pessoas que têm diminuição do tempo de sono REM podem ficar mais desatentas, ter prejuízo de memória e outros problemas relacionados com a cognição. Esse estágio é mais frequente no final da noite e corresponde a mais ou menos 25% do tempo de sono.

Já o sono Não-REM é mais comum na primeira metade da noite. Ele é dividido em três partes: sono N1, N2 e N3. Ao longo dessas três partes nosso corpo vai ficando cada vez mais lento. Nosso coração, nossa respiração e nosso cérebro vão desacelerando gradualmente. O estágio em que nossas funções estão mais reduzidas é no estágio N3, que também é chamado de “sono de ondas lentas”. Enquanto o sono REM era importante para o funcionamento cerebral, o sono não-REM é muito importante ao funcionamento do corpo. É nele, por exemplo, que é secretado o hormônio do crescimento. O estágio N3 também ocupa cerca de 25% da nossa noite.

Note que cada estágio de sono desempenha uma função importante e diferente no nosso corpo. É justamente por isso que não nos basta simplesmente estimar o tempo de sono; é preciso saber quanto tempo se passa em cada estágio de sono. O problema dos monitores de sono atuais

A maior parte desses monitores de sono usa sensores de movimentação dos celulares e relógios para estimar o sono. Eles se baseiam na premissa de que quanto menos nos movimentamos, mais profundo é nosso sono. Essa premissa é parcialmente verdadeira. Com base nesse tipo de avaliação, até é possível estimar o horário em que alguém dorme e acorda. Porém, qualquer análise além disso é incerta. A simples análise de movimentação é incapaz de distinguir esses estágios de modo adequado.

Alguns aplicativos ou dispositivos separam o sono em “sono superficial” e “sono profundo”. Ainda que isso possa parecer interessante, é um grande problema técnico. Esse “sono profundo” é geralmente algo bastante impreciso, composto por uma mistura não muito clara entre o sono de ondas lentas e o sono REM. Como não se pode distinguir um de outro, não se sabe exatamente o que se está medindo. Outros problemas também podem ocorrer: muitos destes aplicativos nunca foram comparados com os resultados de uma polissonografia. Então, corremos o risco de estar usando informações de aplicativos que nunca foram devidamente testados e validados.

Ainda assim, seria muito bom sermos capazes de identificar os estágios de sono de modo adequado e portátil. Como já falamos anteriormente, isso poderia baratear os custos em medicina do sono, oferecendo informações interessantes aos usuários. Além disso, acompanhar o sono em casa pode ser uma ótima maneira de averiguar queixas de sono, bem como acompanhar se um tratamento para insônia está fazendo efeito.

A SleepUp está atualmente desenvolvendo seus próprios dispositivos e tecnologias para monitoramento do sono. Porém, temos conhecimento de todas essas limitações, bem como o compromisso de não lançar algo sem a certeza de que os resultados são confiáveis e validados. Isso é o nosso modo de respeitar o sono e a confiança das pessoas que usam nossos serviços! Fique atento às nossas redes sociais, pois em breve teremos novidades!

952 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Logo da SleepUp
bottom of page