COVID-19: A saúde mental após retomada das atividades

Atualizado: há 4 dias


A pandemia de COVID-19 contribui para o aumento de problemas psicológicos e comportamentais na população brasileira. Devido ao tempo de isolamento social, somado ao grande estresse causado pela sensação de medo e incerteza vivenciada neste período, doenças como depressão e ansiedade tiveram índices elevados em 2020, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). Este número tende a crescer cada vez mais nas próximas décadas[1].


O Brasil é o país da América Latina que apresenta o maior índice de depressão[2], além e ser o país com a população mais ansiosa do mundo[3]. Diante deste cenário, as incertezas trazidas pelo novo coronavírus são um dos fatores determinantes para esse aumento nas doenças relacionadas à saúde mental.


Diversas queixas de saúde mental têm sido relatadas durante a pandemia. Entre as principais estão a dificuldade de concentração, dificuldade em manter o foco e alterações de humor e alterações de sono. Nesse contexto, a insônia é uma das principais consequências observadas.


Retomada e adaptação


Muitas pessoas tiveram que se adaptar e se adequar às rotinas trabalho em regime de home-office (ou trabalho remoto) durante a pandemia. Porém, com o avanço da vacinação e diminuição no número de novos casos, as atividades presenciais estão voltando aos poucos. Em breve, a maior parte das atividades já estarão retomadas em condições muito próximas das normais. Nessa condição, a retomava das atividades também pode agravar a ansiedade e a insônia, e até mesmo gerar quadros de síndrome do pânico [4]. Por isso, é importante que as pessoas preparem um retorno gradativo, para se adequarem progressivamente a essa mudança de rotina.


Umas das principais características do sono durante a pandemia, principalmente entre as pessoas que vinham trabalhando de casa, foi o atraso nos horários de ir para a cama à noite e de levantar-se pela manhã. Os vespertinos foram de certo modo beneficiados com isso, podendo escolher seus horários de sono por conveniência. Contudo, a retomada das atividades presenciais pode fazer com que tenhamos que readequar os horários de acordar e dormir, principalmente para aqueles que os atrasaram muito nos últimos tempos. Nesse caso, o ideal também é fazer uma readequação progressiva: Se prepare para o retorno presencial com pelo menos uma a duas semanas de antecedência. A cada dia, vá antecipando o horário de dormir e de acordar em 15 a 30 minutos. Assim você terá mais chances de se readequar aos horários antigos de modo mais natural e menos traumático.


A exposição ao sol, as atividades ao ar livre e uma rotina de exercício físicos também voltarão a se tornar possíveis ao longo dessa retomada. Todas essas opções são muito importantes, tanto para garantir uma boa saúde mental quanto para manter um sono de qualidade.


Porém, a retomada das atividades de lazer em lugares com muitas pessoas, a volta às aulas e o retorno ao trabalho presencial são atividades que precisam de atenção redobrada. Fique atento às medidas sanitárias ainda vigentes (como distanciamento e uso de máscara).



A TCC e a mudança de comportamento


Pensando nos fatores apresentados acima, notamos que é importante alterar e adequar comportamentos na retomada das atividades presenciais, tanto para manter um sono de qualidade quanto para cuidar da nossa saúde mental. Porém, essas alterações de comportamento não ocorrem de uma hora para outra e é necessário planejamento para que deem certo. Para aqueles que sofrem com alguma doença psiquiátrica ou psicológica como ansiedade ou depressão, essa transição pode ser ainda mais desafiadora.


A Terapia Cognitiva Comportamental (TCC) é um tipo de terapia que busca reeducar o comportamento, hábitos e crenças de uma pessoa, de modo gradual e progressivo. A TCC voltada para a insônia e outros problemas de sono (TCCi) é muito adequada para esses momentos de transição e cobrança, pois pode ajudar a fazer com que o sono de qualidade seja mantido e os comportamentos associados ao sono sejam adequados, mesmo frente a desafios e mudanças tão grandes.


Como a SleepUp pode te ajudar?


A SleepUp é uma plataforma que utiliza a terapia digital para o tratamento e prevenção da insônia. Desta maneira disponibilizamos um acesso fácil às terapias que auxiliam nos problemas e queixas do sono, visando a mudança de comportamento do usuário e a promoção de bons hábitos de sono, sem a necessidade do uso de medicamentos.


Nosso aplicativo oferece diversas ferramentas para prevenção e combate à insônia, com o monitoramento e análise do padrão de sono, técnicas da TCCi e de Terapia Cognitiva Baseada em Mindfulness para insônia (MBCT-i).


Assim, o uso da plataforma SleepUp te ajudará a entender melhor os motivos de sua insônia, ajudando a dormir melhor e promovendo a manutenção da saúde mental. Além disso, e se necessário, temos disponíveis médicos especialistas do sono e psicólogos que poderão acompanhar a evolução de seu tratamento.



REFERÊNCIAS:

1. World Health Assembly recommends reinforcement of measures to protect mental health during public health emergencies https://www.who.int/news/item/31-05-2021-world-health-assembly-recommends-reinforcement-of-measures-to-protect-mental-health-during-public-health-emergencies


1. Depression and Other Common Mental Disorders: Global Health Estimates. Geneva: World Health Organization; 2017.


2. de Souza, Ildebrando Moraes, & Machado-de-Sousa, João Paulo. (2017). Brazil: world leader in anxiety and depression rates. Brazilian Journal of Psychiatry, 39(4), 384. https://dx.doi.org/10.1590/1516-4446-2017-2300


3. National Health System - UK [homepage na internet]. Clinical depression – Causes. Acesso disponível em: https://www.nhs.uk/conditions/clinical-depression/causes/


4. The epidemiology of anxiety and panic disorders: An update. https://psycnet.apa.org/record/1987-25320-001

21 visualizações
Logo da SleepUp